Imprimir esta página
Quarta, 15 Maio 2019 21:43

MAIS SEGURANÇA PARA BANCOS E LOTÉRICAS

Avalie este item
(0 votos)

Plenário delibera projetos de Sassá que propõem vigilância armada em casas lotérica

REDAÇÃO AgênciaNorte

www.aosjaraquis.com.br

Tramita na Câmara Municipal de Manaus (CMM) Projeto de Lei que visa às instituições bancárias públicas e privadas a contratarem vigilância armada para atuar na área de caixas eletrônicos das agências localizadas em Manaus, durante todo o horário de funcionamento dos guichês e acesso aos terminais eletrônicos, inclusive nos finais de semana e feriados.

Este projeto de Sassá teve neste primeiro momento sua matéria aprovada, nesta terça, 14, e agora segue para análise e apreciação da 2ª Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR).

Para o vereador do PT é preciso que dê mais segurança a esse tipo de trabalho. “Os profissionais de vigilância devem  permanecer no interior da instituição bancária, em local que possam se proteger durante a jornada de trabalho, com visão direta da área de caixas eletrônicos, dispondo de botão de pânico e dispositivo de acionamento de sirene de som instalada na parte externa do estabelecimento”, justifica Sassá.

Segundo Sassá, o projeto prevê ainda que as instituições do ramo sejam obrigadas a instalar cabine para vigilantes e câmeras de circuito interno para captação de imagens de todos os acessos, funcionamento e movimentação de pessoas.

FILAS

Outro projeto do petista, que também teve sua primeira aprovação, segue trâmite, e o projeto de Lei n° 085/2019 sugere a contratação do serviço de vigilância profissional armada pelas casas lotéricas no município de Manaus. Segungo Sassá, o objetivo é a garantia da integridade física dos clientes e usuários nos estabelecimentos lotéricos, onde os serviços bancários crescem a cada dia.

A Mesa Diretora da Câmara Municipal de Manaus (CMM) informa que já foi feita a regulamentação da Lei das filas nº 167/2005.

Esta norma foi necessária em decorrência do avanço da automatização dos bancos, que reduziu pessoal para atendimento presencial e afetou o tempo de espera nas filas.

Os serviços de pagamento de tarifas, boletos, tributos, inclusive de saques e depósitos migraram para as agências lotéricas, colocando os estabelecimentos na mira dos assaltantes.

“A sensação de insegurança é o principal problema apontado pelos usuários. O projeto propõe que os estabelecimentos devem manter pelo menos um vigilante de prontidão durante todo o horário de funcionamento. Queremos garantir segurança à população, antes que os assaltantes transformem cidadãos em escudo humano”, justificou Sassá.