Sexta, 26 Março 2021 11:57

Mercosul em divergências

Avalie este item
(0 votos)

Os presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro, e da Argentina, Alberto Fernández, disseram nesta 6ª feira (26.mar.2021) que as divergências políticas e econômicas não podem afetar a integração dos países-membros do Mercosul. Deram a declaração em reunião virtual que comemorou o aniversário de 30 anos da criação do bloco.

Receba a newsletter do Poder360

“Diferenças de perspectivas que existam entre nós, de natureza política ou econômica, não devem afetar o andamento do projeto de integração, desde que respeitados os princípios que balizam o bloco“, disse Bolsonaro.

“Queremos buscar acordos respeitando a diversidade dos países, ainda que pensemos diferente sobre certos temas. A vontade de integrarmo-nos tem de imperar”, disse o presidente da Argentina.

Mesmo com a defesa de união dos países-membros, Fernández e Bolsonaro expuseram diferentes opiniões sobre o que defendem para o futuro do bloco econômico.

Bolsonaro criticou a “regra do consenso” do Mercosul, isso é, que todas as decisões devem ser tomadas de forma unânime. O brasileiro também defendeu a redução da TEC (Tarifa Externa Comum).

Já Fernández expressou resistência à mudança. Falou que defende a correção de inconsistências na taxa, mas que deve-se priorizar “a preservação do equilíbrio entre os setores agroindustrial e industrial”.

O ENCONTRO

A cerimônia virtual desta 6ª feira marcou o aniversário de 30 anos do Tratado de Assunção, que oficializou a criação do Mercosul (Mercado Comum do Sul). Junto ao Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai formalizaram o bloco econômico em 26 de março de 1991, na cidade de Assunção.

Participaram do evento desta 6ª feira (26.mar), além de Bolsonaro, os presidentes:

  • Alberto Fernández, da Argentina;
  • Mario Abdo Benítez, do Paraguai;
  • Luis Alberto Lacalle Pou, do Uruguai;
  • Luis Arce, da Bolívia; e
  • Sebastián Piñera, do Chile.

O presidente brasileiro tirou a máscara para fazer um rápido discurso. Citou seu chanceler, Ernesto Araújo, e o ministro Paulo Guedes (Economia). Os 2 estavam ao seu lado. 

Fernández, anfitrião do evento, fez uma longa explanação em que defendeu a criação de 3 observatórios: o da qualidade da democracia, o da violência de gênero e o do meio ambiente.

Bolsonaro foi o 2º a discursar. Terminou de falar e saiu da reunião virtual sem ouvir os outros presidentes (Paraguai, Uruguai, Bolívia e Chile). O comboio seguiu do Palácio do Planalto para a Residência Oficial do Senado, onde o presidente encontrou Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

INDÚSTRIA PEDE FOCO

Entidades industriais pediram, na 5ª feira (25.mar), foco dos governos do bloco na pauta econômica e de comércio internacional. As organizações indicaram as divergências de ideologia política que implicam barreiras para as tratativas financeiras.

O conselho foi formado por líderes das entidades industriais dos 4 países do bloco. Representando o Brasil, a CNI (Confederação Nacional da Indústria) disse que o bloco econômico contribuiu para a redução de barreiras tarifárias e a atração de investimentos externos. Ressaltou o acordo com a União Europeia e outras tratativas internas de investimento.

Considerando os parceiros comerciais do Brasil, o Mercosul é o bloco que mais proporciona resultados econômicos e sociais para o Brasil, segundo a CNI . De 2011 a 2020, o saldo comercial do país com o bloco foi de US$ 54,9 bilhões. Só fica atrás da China, com superavit comercial de US$ 158,3 bilhões.

Apesar de ficar em 2º, o comércio com o Mercosul é mais diversificado, diferentemente do país asiático, que compra poucos produtos –principalmente alimentos.

O comércio do bloco resulta na maior massa salarial por R$ bilhão exportado. São R$ 670 milhões em comparação com os R$ 450 milhões no caso da China.

Em relação a empregos, é o 2º destino em que as exportações brasileiras geram mais empregos, perdendo apenas para os Estados Unidos.