Imprimir esta página
Segunda, 21 Fevereiro 2022 11:49

LIMITES ULTRAPASSADOS COM FAMÍLIA

Avalie este item
(0 votos)

‘Extrapolou todos os limites quando envolveu minha família’, diz Frias sobre Fontenelle

Em entrevista ao Morning Show, secretário da Cultura falou sobre a polêmica envolvendo a apresentadora e sua suposta candidatura nas eleições de 2022

  • Por Jovem Pan

Nesta sexta-feira, 18, o programa Morning Show, da Jovem Pan, recebeu o secretário da Cultura, Mario Frias. Em entrevista, ele desabafou sobre a polêmica envolvendo a apresentadora Antônia Fontenelle, que questionou o envolvimento da família do ex-ator em suposto desvio de R$ 20 milhões em um evento no litoral catarinense.

“A senhora Antônia Fontenelle vem fazendo uma campanha pessoal contra mim com todos os tipos de acusação. Esse papo de crítica construtiva tem limite. Tem sido uma perseguição há um ano e oito meses. Venho sofrendo uma perseguição de toda a mídia. Essa senhora me ataca há muito tempo, não só nas redes sociais, mas em grupo de amigos. Eu aguentei esse 1 ano e 8 meses por achar que cada um tem o direito de falar o que quer, estamos numa democracia, não sou eu que vou cercear a fala de ninguém. O que acontece é que dessa vez foi muito grave”, disse. “Tem sido um momento muito pesado para a minha esposa e para a minha filha. Pouca gente sabe, mas agora na virada de ano nós perdemos um neném, em janeiro. Essa resposta para a Antônia Fontenelle foi porque ela extrapolou todos os limites. Me acusou de corrupção, envolveu minha família. Extrapolou todos os limites quando envolveu a minha família”, desabafou. 

Prestes a completar dois anos no governo Bolsonaro, Frias contou que o período na Secretaria Especial de Cultura é o que mais foi alvo de linchamentos e ataques. “Sou uma pessoa que vive do meu trabalho, da minha arte, há 25 anos, mas entendi que era um momento muito importante da minha pátria. Vindo o convite de quem veio, um nome que eu admiro e acredito, que eu, como eleitor, dei o meu voto… Eu realmente não tinha nenhuma ambição de ser secretário de Cultura ou trabalhar em qualquer outro governo. Ao longo desse ano, minha vida pessoal tem sido um verdadeiro pesadelo. Eu nunca havia enfrentado nesses anos todos um linchamento tão pesado em cima do meu nome. Mas a gente está aqui por um objetivo, uma missão, até o presidente decidir que é o final.”