Segunda, 04 Abril 2022 21:17

Ex ministro fala sobre impeachment de ministros do STF

Avalie este item
(0 votos)

‘Não temos situação concreta para cogitar impedimento de ministros do STF’, afirma Marco Aurélio Mello

Em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal também falou sobre a corrida presidencial, pedindo moderação ao Executivo e ao Judiciário

  • Por Jovem Pan

A tensão entre os poderes Executivo e Judiciário tinha diminuído e agora voltou após críticas do presidente Jair Bolsonaro (PL) aos ministros do Supremo Tribunal Federal. Em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, desta segunda-feira, 4, o ex-ministro da Corte Marco Aurélio Mello falou sobre a situação entre os poderes e sobre as eleições de 2022. Ao comentar sobre a possibilidade de um impeachment contra um dos ministros da Corte, Marco Aurélio falou sobre a vitaliciedade do cargo e disse não haver situação para solicitar o impeachment dos magistrados.

“O (cargo de) ministro do Supremo deveria ser vitalício na cadeira. A nossa Suprema Corte foi criada à imagem da Suprema Corte americana e lá permanece o integrante enquanto tiver condições de bem servir ao país. Aqui temos uma vitaliciedade mitigada. De qualquer forma, responde o ministro do Supremo ao Senador da República, e não temos uma situação concreta para cogitar-se de impedimento deste ou daquele ministro do Supremo”, afirmou o ex-ministro.

Além disso, Marco Aurélio disse acreditar que a corrida eleitoral será “movimentada” e pediu moderação por parte dos poderes Judiciário e Executivo. “Será campanha eleitoral movimentada. Isso é bom para esclarecer os eleitores quanto aos perfis, plataformas e candidatos. Eu insisto, é preciso que haja moderação por parte dos poderes executivo e judiciário. Compreendemos que a República está assentada em um tripé, formado pelo legislativo, pelo executivo e pelo judiciário, cabendo a esse último a última palavra sobre conflitos de interesse. Eu tenho preconizado que se tire o pé do acelerador na verbalização”, completou Marco Aurélio.