Terça, 20 Abril 2021 10:59

Pressão em cima do presidente

Avalie este item
(0 votos)

nomeação da advogada Claudia Mansani Queda de Toledo para a presidência da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), publicada pelo governo federal na 5ª feira (15.abr.2021), está causando desconforto entre os aliados do presidente Jair Bolsonaro.

Atualmente vice-líder do governo, o pastor Marco Feliciano (Republicanos-SP), colocou o cargo à disposição. Ele cobra para que a nomeação seja desfeita.

Em seu perfil oficial do Twitter, o congressista afirmou que Claudia possui um perfil “esquerdista”, que não dialoga com o governo Bolsonaro.

De acordo com as publicações de Feliciano, a nova presidente da Capes defende bandeiras como “a ideologia de gênero nas escolas, o feminismo e as pautas de Paulo Freire”. 

O pastor ameaçou deixar o cargo de vice-líder do governo. Ele afirmou que procurou o ministro da Educação, Milton Ribeiro, para falar sobre a indicação de Queda. “Ele desconversou”, disse.

“Se o governo não reavaliar essa nomeação, e esta senhora continuar, entregarei o meu cargo de vice-líder do governo, pois não terei como explicar para todos os que estão me pedindo uma explicação sobre esta nomeação estranha”, afirmou Feliciano.

QUEM É CLAUDIA QUEDA

De acordo com o currículo disponível na Plataforma Lattes, Claudia é docente nas áreas de direito constitucional e dá aulas na graduação e na pós-graduação do curso de direito da ITE (Instituição Toledo de Ensino), em Bauru (SP), da qual é coordenadora científica. Ela também é reitora do Centro Universitário de Bauru.

A instituição é a mesma pela qual Ribeiro e o ministro da AGU (Advocacia Geral da União), André Mendonça, formaram-se.

A professora tem mestrado em direito das relações sociais pela PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo) e doutorado em direito constitucional pela ITE.