Sábado, 18 Junho 2022 10:34

CONGRESSO QUER TAXAR EXPORTAÇÃO

Avalie este item
(0 votos)

Congresso quer taxar exportação de petróleo para conter reajustes dos preços dos combustíveis

Presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, também anunciou que parlamentares vão aprovar proposta para dobrar o imposto sobre o lucro da Petrobras

  • Por André Siqueir

Na reunião de líderes convocadas pelo presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), para a segunda-feira, 20, os parlamentares irão discutir, entre outros assuntos, a possibilidade de taxar a exportação brasileira de petróleo. O encontro foi convocado por Lira após a Petrobras anunciar um novo reajuste dos preços da gasolina e do diesel. Na manhã da sexta-feira, 17, a petroleira aumentou em 5,18% e 14,26% o valor do litro da gasolina e do diesel, respectivamente, cobrado nas refinarias – a mudança entrou em vigor neste sábado, 18. Em ano eleitoral, o Congresso se movimenta para dar uma resposta ao aumento das tarifas, que impacta toda a cadeia produtiva, gera inflação e diminui o poder de compra do brasileiro. O movimento é acompanhado com atenção pelo Palácio do Planalto, que enxerga na questão dos combustíveis um empecilho para o crescimento do presidente Jair Bolsonaro (PL) nas pesquisas de intenção de voto.

A informação sobre a taxação da exportação do petróleo foi divulgada inicialmente pelo jornal O Estado de S. Paulo e confirmada à Jovem Pan, na noite do sábado, 18, por três lideranças partidárias. “É oportuno [taxar a exportação do petróleo], porque a Petrobras usufrui de legislação construída para ela. A empresa exporta petróleo baseado no preço internacional e se beneficia da isenção. Mas, quando o Brasil precisa dela, ela se nega a ajudar o país. [A taxação] Pode contribuir para o subsídio do diesel, para garantir que o setor de logística do país possa usufruir desse benefício, da exportação, já que a estatal não quer reduzir margem de lucro”, disse à reportagem o deputado Danilo Forte (União Brasil-CE), relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que trata de biocombustíveis e faz parte do pacote anunciado pelo governo para reduzir os preços dos combustíveis.

Esta não é a única proposta que está no radar dos líderes da Câmara. Em entrevista à Globo News, Lira disse que os parlamentares devem votar – e aprovar – um projeto que dobra a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) da Petrobras e mudar a política de preços da companhia atrelada ao mercado internacional. De acordo com o expoente do Centrão, os recursos obtidos a partir da tributação serão usados para bancar a diferença do custo do diesel do exterior ou para ser usado em um subsídio, um vale para caminhoneiros, taxistas e motoristas de aplicativo. “Aqui, a Petrobras paga de CSLL, por exemplo, ‘xis %’ sobre o lucro. Vamos dobrar essa taxação e tentar reverter isso diretamente para população, para que também entre no caixa do governo, não vá para o Tesouro e não esteja sujeito à lei do teto de gastos”, declarou.

Na noite da sexta-feira, 17, na esteira da repercussão de lideranças do Legislativo ao reajuste anunciado pela Petrobras, o presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse que o governo Bolsonaro “deve aceitar dividir os enormes lucros da Petrobras com a população, por meio de uma conta de estabilização de preços em momentos de crise”. A declaração do parlamentar mineiro faz menção ao fato de ao Senado já ter aprovado um projeto que usa, entre outras fontes, os dividendos da Petrobras à União para criar o fundo de estabilização. O texto, porém, está parado na Câmara, onde enfrenta resistência de uma ala da Casa.