Quinta, 23 Junho 2022 16:19

ELE SAI DO GOVERNO, NÃO DO TRABALHO PELO PAÍS

Avalie este item
(0 votos)

...Uma saída necessária, já que sua doença requer diariamente maiores cuidados, e diante de mais descanso e tranquilidade o General Villas Bôas deixa o Governo Bolsonaro...Sua exoneração foi publicada, em edição extra, no Diário Oficial da União, nesta terça, 21...

A SAÍDA DO GENERAL VILLAS BÔAS, Eduardo Dias da Costa Villas Bôas, veio em tempo, o militar deixou o cargo de Assessor Especial do ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno.

REDAÇÃO AGNORTE/MARLEN LIMA

Villas Bôas, que tem uma invejável prestação de serviço militar à frente de grandes missões, como comandante do Exército na Amazônia, e um dos mais primorosos conselheiros do presidente Bolsonaro, aceitou o convite em servir ao GSI - Gabinete de Segurança Institucional - ao lado do general Augusto Heleno, por saber do papel fundamental que o Brasil vem atravessando, desde das últimas eleições...Aos 70 anos, mesmo sofrendo de uma doença degenerativa, esclerose amiotrófica, o general se mantém atuante, firme e sempre recebeu a visita do presidente da República.

Em 2015, Villas Bôas foi escolhido pela então presidente Dilma Rousseff para assumir o comando do Exército. Cumpriu ordem, e missão dada foi cumprida com mais um êxito na sua carreira. Chegou as eleições de 2018, e o general já se posicionou pelo país, e por sua pátria, viu em Bolsonaro a força que o Brasil naquele momento precisou, e ainda precisa.

Daí, em janeiro de 2019, o general deixou o cargo anterior, e usou as redes sociais para revelar que trabalharia no GSI, não pôde recusar o convite do presidente Jair Bolsonaro. As nuances de sua doença já também nesta época começaram a se delinear de forma mais impositiva - continuar servindo ao país, e especialmente ao presidente jamais foi um peso - missão que se segue - só que agora não mais atrelado exclusivamente ao Governo.

Villas Bôas sofre de esclerose lateral amiotrófica (ELA), doença neuromotora de caráter degenerativo. De sua casa, em Brasília, o general mantém ainda acesso um trabalho à frente de sua Fundação, que leva o seu nome, e que procura contribuir de forma perene o país, levando informações, debatendo diversos temas, e onde a Amazônia sempre tem tido espaço cativo na sua vida, mas, acima de tudo o general permanece alerta pelo Brasil.